Os efeitos da radiação não-ionizante I

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Todos os corpos emitem radiação, bastando para isso estarem a determinada temperatura. A radiação não-ionizante é aquela que tem freqüência igual ou menor que a da luz solar e, apesar de ser incapaz de alterar o átomo, pode causar problemas de saúde. Esse tipo de radiação está presente nos raios X, celulares e freqüências de rádio, além da própria radiação emitida pela rede de distribuição de energia de 60 Hz. Está demonstrado, por exemplo, que as microondas podem causar, além de queimaduras, danos ao sistema reprodutor.


A tolerância dos seres humanos aos raios X é de, no máximo, 0,1 röntgen por dia, considerando toda a superfície corpórea. A exposição demorada aos raios X pode causar vermelhidão da pele, ulcerações e empolamento. Em casos mais sérios, pode causar lesões cancerígenas, morte das células e leucemia. Já a telefonia celular, talvez o mais importante emissor de radiação não-ionizante em nossos dias, faz uso de ondas eletromagnéticas. A faixa eletromagnética utilizada pelo celular é bem próxima da faixa das microondas, aquelas utilizadas para cozinhar alimentos, e é justamente aí que mora o perigo.


É óbvio que a potência utilizada pelas microondas é bem menor num celular do que num forno, caso contrário nosso cérebro seria cozido enquanto falássemos ao telefone. No entanto, mesmo que a potência seja menor, é justamente esta proximidade entre o aparelho emissor de ondas eletromagnéticas e o nosso cérebro que preocupa muitos especialistas. Estudos recentes feitos na Itália comprovaram que a temperatura do cérebro aumenta quando o celular é utilizado por mais de 6 minutos.


Portanto, não é recomendável utilizar o celular dentro de automóveis, já que as ondas utilizadas pelo aparelho celular batem na lataria e voltam para o usuário do telefone. Outro cuidado importante a se tomar é: na hora de comprar um novo modelo, preferir os que têm blindagem interna de metal, o que evita que a radio-freqüência venha toda para o usuário. Também é necessário desligar os celulares em hospitais, já que as ondas provenientes do aparelho podem afetar os dispositivos eletrônicos responsáveis por manter a vida dos pacientes. (Tiago Meirelles)

2 comentários:

Izabela disse...

muito interessante! Fiquei muito empolgada com desenvoltura deste conteúdo.
Dra. Izabela Schimit

rossimilan disse...

raio X eh non ionisante? ou ionisante? fiquei em duvida agora